PROGRAMAÇÃO DA MIMO 2016

recife1
Olá, mundo!
4 de outubro de 2016
chuva-de-poesia-small

Os filmes que vão compor a exibição de cinema do Festival Mimo 2016 acabaram de ser divulgados pela organização. Ao todo são 27 curtas e longas-metragens que serão exibidos gratuitamente no Mercado da Ribeira e em frente à Igreja da Sé, no Sítio Histórico de Olinda. O festival acontece de 18 a 20 de novembro, e é um dos maiores do Brasil voltado para música instrumental. As exibições de cinema compõem a programação com filmes também relacionados ao tema musical. Chico Science e os repentistas de São José do Egito estão entre os destaques das produções pernambucanas com as obras de José Eduardo Miglioli, Chico Science, caranguejo elétrico, e de Tauana Uchôa, Não tem só mandacaru.

A seleção foi feita pela cineasta Rejane Zilles e pelos críticos de cinema Marcelo Janot e Juliano Gomes. Ao todo foram 145 produções inscritas, de várias partes do Brasil. Para participar do festival, os filmes precisam ter a música como ponto central e podem ser documentários ou produções ficcionais. “Recebemos uma seleção boa e bem diversificada, com as já tradicionaiscinebiografias e também temas mais abrangentes, que passeiam pelo rock, frevo, hip hop e ritmos da tradição de cultura popular de várias regiões do país”, afirma Rejane Zilles.

Essa será a 13ª edição da MIMO, evento que surgiu em Olinda, em 2004. Atualmente o festival se expandiu para várias partes do Brasil e marca presença até no exterior. Em 2016, a programação ocorre em Olinda e Recife, além de João Pessoa (PB), Ouro Preto (MG), Paraty (RJ), Tiradentes (MG), Rio de Janeiro e Amarante (Portugal).

Confira a lista de filmes selecionados para a 13ª MIMO:

Longas-metragens

Chico Science, caranguejo elétrico, de José Eduardo Miglioli
Perdido em júpiter, de Deo
Pedro Osmar, prá liberdade que se conquista, de Eduardo Consonni e Rodrigo T. Marques
Histórias de marabaixo, de Bel Bechara e Sandro Serpa
Cacaso na corda bamba, de  José Joaquim Salles e Ph Souza
Morena dos olhos pretos, de Isaac Dourado
Time Will Burn: O rock underground brasileiro do começo dos anos 90, de Marko Panayotis e Otavio Sousa
Waiting for B., de Paulo Cesar Toledo e Abigail Spindel
Caminhos do coco, de Joice Temple
As incríveis artimanhas da nuvem cigana, de Claudio Lobato e Paola Vieira

Curtas-metragens
Faz que vai, de Bárbara Wagner
Filme em Fúria, de Nana Maiolini
Orquestra Invisível let’s dance, de Alice Riff
Gramatyka, de Paloma Rocha
O trovador o cabra os mundos, de Marcia Paraíso e Carla Joner
Vinillis frutiferis, de Victorhugo Passabon Amorim
A batalha de São Bráz, de Fernando Segtowick
Vivi, de Catarina Doolan e Julio Castro
Não tem só mandacaru, de Tauana Uchôa
Antena meta física, de Idosoidos (Vidasouvidas) e  Beth Brandão
De quando em vez, de Jáder Barreto Lima e Rafaella Pereira de Lima
Essa Barra que é gostar de você, de  Madiano Marcheti
IK80: O maestro e sua orquestra, de Bruno Vouzella
Fuga, de Eduardo Roscoe
Serra do Caxambu, de Márcio Brito Neto

Fonte: Diario de Pernambuco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *